Louremar no Facebook Louremar no Twitter
Plebiscito ou referendo, entenda a reforma política
Publicada em 01/11/2014 às 01:38:59

Da: BBC Brasil

Para que a presidente reeleita, Dilma Rousseff, tenha êxito em sua principal proposta para seu segundo mandato, a aprovação de uma reforma política, ela terá de se entender com o Congresso quanto à melhor forma de consultar a sociedade no processo.

A proposta original de Dilma é pela convocação de um plebiscito para tratar do tema. Já os dirigentes da Câmara e do Senado preferem que os eleitores participem da reforma por meio de um referendo. A posição do Congresso nesse tema é crucial, já que cabe ao órgão decidir qual modelo será adotado.

Os pontos de vista distintos já provocam atritos entre as autoridades. Na terça-feira, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que "o Congresso pagará caro pela omissão" se autorizar a convocação de um plebiscito, delegando aos eleitores o poder de definir os rumos da reforma.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), reforçou a posição de Renan e culpou o PT pela não aprovação de uma proposta de reforma no ano passado.
Também na terça, Dilma flexibilizou sua posição ao dizer em entrevista que "não interessa muito se é referendo ou plebiscito".

Qual a diferença entre referendo e plebiscito?

A principal distinção é que um plebiscito é convocado antes da elaboração de um ato legislativo ou administrativo que trate do assunto em questão.
Já um referendo é convocado posteriormente, para que a população aprove ou rejeite a proposta já elaborada.

De que maneira essas diferenças influenciariam na reforma política?

Pela proposta de Dilma, um plebiscito sobre a reforma política permitiria aos brasileiros posicionar-se sobre vários temas. Eles poderiam, por exemplo, decidir se o financiamento das campanhas deve ser público, privado ou misto; se o voto deve ser nos partidos, em listas fechadas, ou em candidatos; se deve ser criada uma cláusula de barreira para impedir que partidos pequenos assumem lugares na Câmara; e se a reeleição deve ser proibida.

Caberia ao Congresso decidir quais perguntas serão feitas e elaborar uma proposta que respeitasse os resultados da consulta. Esse modelo daria aos eleitores maior poder na elaboração da proposta.

No caso de um referendo, o Congresso elaboraria uma proposta de reforma, e os eleitores teriam apenas o poder de chancelar ou vetar o projeto como um todo, sem poder modificá-lo. Esse modelo daria ao Congresso mais poder na elaboração da proposta.

Quais os argumentos favoráveis e contrários aos dois modelos?

Defensores do plebiscito dizem que, se a elaboração da reforma ficar a cargo do Congresso, dificilmente serão aprovadas medidas que descontentem deputados e senadores. A reforma, dizem eles, provavelmente seria tímida.

Eles afirmam que um plebiscito atenderia os anseios dos manifestantes que foram às ruas em junho de 2013 e pediram maior participação da sociedade nas decisões do Estado.

Já os defensores do referendo dizem que um plebiscito teria perguntas muito específicas e que dificilmente os eleitores estarão informados o suficiente para respondê-las. Afirmam, ainda, que as opções dos eleitores poderiam produzir uma proposta "frankenstein", difícil de pôr em prática.

Eles dizem que o Congresso é o órgão mais capacitado para a tarefa e detém a legitimidade para executá-la, por ser composto por deputados e senadores eleitos pelo povo. Afirmam, ainda, que a realização de um plebiscito reduziria a importância do Legislativo, afetando o equilíbrio entre os Três Poderes.

Quais foram os últimos plebiscitos no Brasil?

O último plebiscito estadual ocorreu em 2011, no Pará, quando os eleitores do Estado decidiram se as regiões de Carajás e Tapajós deveriam se tornar Estados autônomos. A maioria dos paraenses rejeitou a divisão.

O último plebiscito nacional ocorreu em 1993, quando os brasileiros puderam optar qual regime de governo vigoraria no país: se monarquia ou república e se parlamentarismo ou presidencialismo. Venceu a proposta por uma república presidencialista, regime que já vigorava.

Quais foram os últimos referendos?

No último referendo estadual, em 2010, os eleitores do Acre decidiram se o fuso horário no Estado deveria ser voltar a ser de duas horas a menos que Brasília, após ter sido alterado para uma hora a menos. A maioria aprovou a mudança para o horário antigo.

O último referendo nacional ocorreu em 2005, quando a população foi consultada sobre a proibição do comércio de armas de fogo no país.

A proibição estava prevista em artigo do Estatuto do Desarmamento, que havia sido aprovado em 2003. Os brasileiros, porém, rejeitaram a mudança.
 

“Do outro lado da vida” será encenada domingo no Ceuma
Militares reclamam do deputado eleito pela categoria

Roberto Campos Filho, cabo da Polícia Militar eleito deputado estadual no Maranhão, começou a se distanciar da categoria que o elegeu. É o que dizem 8 de 10 militares consultados pelo editor deste blog.

Flávio Dino anuncia mais um deputado para o seu secretariado

O governador eleito Flávio Dino anunciou há poucos instantes o nome do deputado estadual Bira do Pindaré (PSB) para a secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Flávio Dino tentou interferir na eleição da Câmara de Bom Lugar, garante vereador

O mais intrigante foi a justificativa de Damião Sem Medo ( foto) para contrariar a orientação do seu líder político. Segundo ele, teria recebido naquele instante uma ligação telefônica do governador eleito Flávio Dino pedindo para ele votar contra o candidato de Sérgio Miranda. Isso mesmo, nas palavras do vereador, Flávio Dino teria deixado o intrincado processo de montar sua equipe de governo para “bater o fio” e interferir na eleição de Bom Lugar.

Depois da farra do combustível prefeita de Lago Açu tem contas rejeitadas pelo TCE

As contas da prefeita Marly dos Santos Sousa Fernandes, de Conceição do Lago Açu, foram desaprovadas nessa quarta-feira (29) pelos conselheiros do Tribunal de Contas do Estado.

STF inocenta Romário por chamar presidente da CBF de “ladrão”

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), por unanimidade, julgou improcedente acusação contra o deputado federal e ex-jogador de futebol Romário de Souza Faria apresentada no Inquérito 3887.

 Parceiros
 Enquente
 Vídeo Destaque
 Áudio Destaque
  Louremar no Facebook
  Estatísticas de acesso
» Usuários on-line: 18
» Notícias lidas hoje: 369
» Notícias lidas ontem: 1342
» Total de Visitas: 3010717
© Copyright 2013 - Louremar Fernandes